Prezados, Diante dos possíveis impactos do espalhamento do novo coronavírus, a MB Associados está seguindo as orientações das autoridades sanitárias e suspendeu, temporariamente, a realização de reuniões e encontros presenciais para a segurança dos nossos clientes, colaboradores e parceiros. Para atender aos compromissos agendados e demais demandas, nossos colaboradores estarão disponíveis via e-mail, call ou videoconferência. Informações técnicas: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. document.getElementById('cloak7ccf25439d12921c9f0585181b5b0389').innerHTML = ''; var prefix = 'ma' + 'il' + 'to'; var path = 'hr' + 'ef' + '='; var addy7ccf25439d12921c9f0585181b5b0389 = 'cr&

A taxa de desemprego atingiu 11,2% no trimestre finalizado em janeiro, ante 11,0% no último trimestre de 2019 – ligeiro aumento relacionado ao movimento sazonal de demissões de funcionários temporários que foram contratados no final do ano. Na série dessazonalizada, e mesma base de comparação, o desemprego passou de 11,62% para 11,46%. Em relação ao trimestre móvel anterior, encerrado em outubro, o desemprego caiu 0,4.p.p., já em relação ao mesmo período do ano passado, 0,8p.p., resultado que corrobora com o cenário de melhora gradual do mercado de trabalho.                                            

Prezados clientes, Informamos que estamos com indisponibilidade em nossos sistemas para o envio dos e-mails. O conteúdo em nosso site, contudo, continua sendo atualizado diariamente. Estamos trabalhando para a normalização imediata.   Equipe MB Associados.                                  

A PMS (Pesquisa Mensal de Serviços) divulgada hoje, pelo IBGE, registrou queda de 0,1% no volume de serviços na passagem de novembro para dezembro, sendo o segundo mês seguido de queda. Na comparação interanual houve crescimento de 1,6%, sendo o quarto mês consecutivo de variação positiva nesta base de comparação. Com este resultado, o volume de serviços acumulou crescimento de 1,0% no ano de 2019 - a primeira alta desde 2014. O resultado do ano passado foi puxado, principalmente, pelos serviços de informação e comunicação, que cresceram 3,3%. Outro destaque positivo no ano foram os serviços de locação de automóveis, que cresceram devido ao aumento de motoristas de aplicativo e pela mudança na preferência do consumidor que prefere não comprar um carro.  Por ou

A pesquisa mensal do comércio, divulgada pelo IBGE, registrou queda de 0,1% na passagem de novembro para dezembro, interrompendo uma sequência de sete meses consecutivos de crescimento. O mês de dezembro ficou marcado pelo grande aumento de preços de proteínas, prejudicando o desempenho dos Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que caíram 1,2% em relação a novembro e 2,9% em relação a dezembro de 2018. Na comparação interanual, o volume de vendas no varejo cresceu 2,6% em dezembro, chegando ao nono mês consecutivo de crescimento nessa comparação. Com este resultado, o varejo fecha 2019 com crescimento de 1,8%, puxado pelos artigos farmacêuticos (6,8%), outros artigos (6,1%) - categoria que engloba lojas de departamentos, óticas, joalherias

Hoje pela manhã, foi divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada semana passada, na qual o comitê decidiu reduzir a taxa Selic em 0,25 p.p., que atingiu a sua mínima histórica (4,25% a.a.). O balanço de riscos analisado pelos membros do comitê seguiu praticamente inalterado: o alto nível de capacidade ociosa - sinalizado pela reversão parcial do choque de preços de proteínas no início deste ano - pode levar a inflação à níveis mais baixos do que o esperado. Por outro lado, a inflação pode apresentar níveis mais altos devido ao efeito defasado do processo de estímulo monetário intensificado em julho de 2019. Aqui, a influência positiva pode ser potencializada pelas transformações no mercado de crédito e capitais. No doc

A PIM-PF, divulgada hoje pelo IBGE, registrou queda da produção industrial de 0,7% na passagem de novembro para dezembro e fechou o ano de 2019 com queda 1,1%, interrompendo a sequência de dois anos de crescimento. A indústria extrativa recuou 9,7% e foi o setor que mais caiu no ano, desempenho que está relacionado com o rompimento da barragem de Brumadinho no mês de janeiro. Sem a influência do setor, a produção industrial teria avançado 0,2% em 2019. A crise econômica da Argentina também prejudicou o desempenho da produção, afetando as exportações da indústria de transformação. Em 2019, as exportações brasileiras de veículos automóveis para Argentina caíram 52,65%.                            

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do mês de dezembro de 2019, divulgado hoje pelo Ministério da Economia, registrou destruição de 307,3 mil postos de trabalho no mês. Com este resultado, o Brasil fecha 2019 com criação total de 644.079 empregos, sendo o melhor resultado desde 2013. Devido à sazonalidade, um resultado negativo para o mês de dezembro já é esperado, o que está relacionado com as demissões dos trabalhadores que foram contratados para trabalhar temporariamente no final de ano. Quando analisamos a série dessazonalizada, houve criação de 69,2 mil postos de trabalho em dezembro, número bem próximo à média móvel trimestral de 67,9 mil.                              

Na semana passada, o Governo anunciou novo reajuste no salário mínimo que passará dos R$ 998,00 vigentes em 2019 para R$ 1045,00. O último valor anunciado garante a recomposição da inflação acumulada de 2019 (INPC de 4,48%) mais um resíduo inflacionário de 2017 que não havia sido incorporado no reajuste de 2018. Em dezembro, o Governo anunciou que o reajuste seria de 4,1%, conforme o valor projetado do INPC, ou seja, o salário mínimo passaria de R$ 998,00 para R$ 1039,00. No entanto, como a inflação de dezembro ficou acima do esperado, pressionada principalmente pelo aumento de preços das carnes, o Governo anunciou novo ajuste incorporando alta de 4,48% da inflação, garantindo a manutenção do valor real do salário base.              

A pesquisa mensal do comércio, divulgada pelo IBGE, registrou alta de 0,6% na passagem de outubro para novembro, atingindo o sétimo mês consecutivo de crescimento. O resultado, no entanto, foi abaixo das expectativas. A Black Friday impulsionou as atividades que mais cresceram no mês: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (4,1%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (1%); e móveis e eletrodomésticos (0,5%). Enquanto a categoria de livros, jornais, rev. e papelaria apresentou o pior resultado no mês (-4,7%). Na comparação interanual, o volume de vendas no varejo cresceu 2,9% em novembro, acima das nossas expectativas (2,4%) e chegando ao oitavo mês consecutivo de crescimento nessa comparação. O crescimento acumulado em 12 meses ficou

    

COMPARTILHE

face link